Resultados de Busca

Agora exibindo 1 - 10 de 17
  • Working Paper
    Corporate Financial Policies and the Exchange Rate Regime: Evidence from Brazil
    (2008) Rossi Júnior, José Luiz
    Este trabalho analisa o relacionamento entre a política financeira das empresas e o regime cambial para uma amostra de empresas brasileiras não-financeiras no período de 1996 a 2006. Os resultados indicam que, além de reduzir a proporção da dívida expressa em moeda estrangeira e aumentar a utilização de derivativos, a adoção de um regime de câmbio flutuante leva a um maior casamento monetário entre a ativo e o passivo das firmas. O trabalho mostra que esta melhora no gerenciamento de risco das firmas dá-se, principalmente, nas firmas mais expostas ao risco cambial. Os resultados confirmam que o regime cambial exerce um papel importante na determinação da vulnerabilidade externa das firmas.
  • Dissertação
    Instrumentos financeiros no setor do agronegócio: uma análise sob a perspectiva de vieses comportamentais
    (2022) Tinôco, Ollavo Queiroz
    Devido à instabilidade e ao dinamismo do mercado agropecuário, a gestão de risco é fator dominante para a sobrevivência dos envolvidos nesse tipo de atividade. Assim, como forma de proteger os agentes negociadores de commodities agrícolas, o mercado de capitais passou a ofertar contratos ligados ao agronegócio. Tendo em vista a falta de referências que tratem do agronegócio em termos de economia comportamental, este presente estudo tem como objetivo mensurar e prever a influência dos vieses comportamentais de loss aversion e status quo na decisão de produtores rurais ao utilizarem ferramentas financeiras de proteção de preços por meio da aplicação de questionários baseados no modelo SurveyMonkey, que tem como finalidade de construir uma base de dados primária e inédita, com uma amostra representativa. Ao todo, foram respondidos 430 questionários que, após tratamento e limpeza, resultaram em 276 respostas para compor a base mediante ao perfil desejado. Com a base estabelecida, regressões logísticas foram realizadas em R, utilizando o pacote de modelos lineares generalizados GAMLSS (Generalized Additive Models for Location, Scale and Shape). Pode-se concluir que a maior influência aparente se deu em virtude ao desconhecimento técnico sobre o uso de derivativos. Além disso, a relevância estatística da aversão ao risco indica que quanto maior a aversão ao risco, maiores as chances de o produtor utilizar derivativos para proteção de preços,indicando que a aversão ao risco reforça a necessidade de não participar da volatilidade do mercado. Espera-se que a presente pesquisa possa contribuir com um modelo de soluções para aumentar a utilização dos instrumentos financeiros (hedge), melhorando assim a gestão integrada dos riscos dos produtores rurais, perpetuando a longevidade à este tipo de negócio.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    O uso de hedging e seu impacto no valor de mercado das empresas não financeiras no Brasil
    (2020) Vaz, Nicolas Delepierre
    Esse estudo busca estabelecer uma relação empírica entre o uso de estratégias de hedging e o valor de mercado de firmas brasileiras não financeiras no período de 2010 a 2019. Seguindo a metodologia proposta inicialmente por Allayannis e Weston (2001) para o mercado americano e posteriormente adaptada por Rossi e Laham (2008) o mercado brasileiro, o presente estudo buscou atualizar os resultados obtidos pelos autores brasileiros, verificando que esses não se mantém no período estudado.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    A alienação/cessão fiduciária em operações de derivativos
    (2014) Queiroz, Caroline Guazzelli
    Os instrumentos financeiros derivativos desempenharam um papel relevante na crise financeira de 2007/2008 ao ampliar efeitos causados pela “explosão” da bolha imobiliária estadunidense. Desde então, uma série de alternativas tem sido exploradas por reguladores e participantes do mercado para reduzir a exposição das partes em operações desta natureza, sendo a troca de garantias umas das alternativas mais efetivas para reduzir esta exposição nas operações celebradas no mercado de balcão. No Brasil, já possuímos um tipo de garantia especial, que é a alienação/cessão fiduciária, porém as regras a serem observadas para que tal garantia seja atualizada diariamente, conforme a oscilação da exposição da operação garantida, mostravam-se deficitária. Diante dessa questão, o presente trabalho visa analisar as questões jurídicas que tornam o mecanismo de troca de garantias deficitário, bem como analisar se e como as novas regras para constituição de garantias poderão dirimir as questões até então presentes no cotidiano dos participantes do mercado financeiro.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    A escolha do tipo de instrumento derivativo financeiro usado pelas companhias impacta o valor de mercado das empresas? evidências para o Brasil
    (2009) Ribeiro, Philippe Lemes
    Esse trabalho consiste em examinar a magnitude e direção do impacto gerado pelo uso corporativo de estratégias de cobertura de risco financeiro por meio de instrumentos derivativos, tais como: Contratos Futuros, a Termo, Opções e Swaps. Empregou-se a análise de painel e MQO por meio do simples uso do Q de Tobin para uma amostra de empresas brasileiras de capital aberto não financeiras entre 2004 e 2007. Os resultados oferecem indícios de expressivo impacto positivo no valor das firmas que utilizam derivativos e em diferentes magnitudes dependendo do tipo e da combinação de instrumentos derivativos escolhidos pelos agentes.
  • Dissertação
    O risco de base e a efetividade do hedge do café arábica no Brasil
    (2015) Gomes, Artur Ornelas Lourenço
    O trabalho buscou mensurar e analisar os valores da base do café arábica nas principais regiões produtoras, assim como demonstrar que é possível conhecer previamente o comportamento da base no Brasil. Se inovou ao realizar a análise da base utilizando o preço da Intercontinental Exchange (ICE) e mensurar o impacto do câmbio no comportamento da base. Ao avaliar os resultados dos testes aplicados sobre uma amostra com dados diários dos anos de 2005 a 2014 para as principais regiões produtoras: do Cerrado Mineiro, Mogiana, Sul de Minas, Zona da Mata, Paraná e Noroeste Paulista, foi possível identificar intervalos de confiança para o valor da base e o coeficiente entre preço futuro e o preço a vista para cada região analisada. Por fim, o modelo econométrico trouxe informações importantes sobre o comportamento da base, tais como a relação negativa entre o valor da base e a PTAX e o impacto da volatilidade no comportamento da base.
  • Working Paper
    Swap, Futuro e Opções: Impacto do Uso de Instrumentos Derivativos sobre o Valor das Firmas Brasileiras
    (2010) Machado, Sérgio Jurandyr; Ribeiro, Phillipe Lemes; Rossi Júnior, José Luiz
    O trabalho analisa o impacto do uso de instrumentos derivativos, tais como contratos futuros, a termo, opções e swaps sobre o valor da firma, utilizando uma amostra de empresas brasileiras de capital aberto não financeiras entre 2004 e 2007. Os resultados indicam que a utilização de derivativos exerce um impacto positivo no valor das firmas e que este impacto apresenta diferentes magnitudes dependendo do tipo e da combinação de instrumentos derivativos escolhidos.
  • Dissertação
    Estimation of the Brazilian Sovereign Default Risk through the Jump to Ruin model over the IBOVESPA Index and USD/BRL Options
    (2022) Pascowitch, Felipe de Souza Queiroz
    O modelo Jump to Ruin é um caso especial do Modelo Jump, proposto por Merton (1976), no qual o preço do título subjacente vai a zero. O Jump Model adapta uma importante premissa de Black & Scholes (1973) de que os preços seguem um caminho aleatório contínuo, resultando em preços seguindo um movimento browniano geométrico. Neste trabalho será aplicado o Modelo Jump to Ruin às Opções do Índice IBOVESPA e do Câmbio USD/BRL com o objetivo de inferir o risco soberano embutido nos valores dessas opções. Em seguida, o risco soberano calculado será comparado com os Credit Default Swaps brasileiros para avaliar a precisão da estimativa
  • Dissertação
    A Utilização de Derivativos Aliada às melhores práticas de governança corporativa adiciona valor para os acionistas?
    (2009) Steagall Junior, Lincoln
    Se por um lado derivativos podem trazer vantagens para as empresas, como suavização dos fluxos de caixa, maior acesso às linhas de financiamento e diminuição de taxas de empréstimo, por outro podem trazer sérios riscos se forem usados indevidamente. Pode-se citar, por exemplo, as exposições excessivas a derivativos em 2008, que tinham como motivador a diminuição do custo financeiro para as tesourarias das empresas e tornaram-se desastrosas com o advento da crise financeira global iniciada em Setembro de 2008. Boas práticas de Governança Corporativa trazem maior transparência e aumentam a proteção dos acionistas minoritários contra atitudes prejudiciais por parte dos controladores. Dessa maneira, seria esperado que a adoção dessas práticas diminuísse a possibilidade da utilização prejudicial dos contratos de derivativos. Este trabalho visa investigar se a utilização de derivativos aliada às melhores práticas de governança corporativa cria valor para as empresas. Para isso foi analisada uma amostra de empresas brasileiras não-financeiras listadas na Bolsa de Valores de São Paulo, entre os anos de 2004 e 2007 e rodadas regressões em painel. A criação de valor foi medida através do Q de Tobin. Os resultados confirmam a princípio que apenas a Governança Corporativa agrega valor à firma, mas não a utilização de derivativos de uma maneira geral. Foram encontradas evidências muito fracas de que a utilização de derivativos aliadas às práticas de Governança Corporativa especificamente no quesito Estrutura Acionária adiciona valor para o acionista.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    Derivativos e governança corporativa: uma breve visão jurídica
    (2010) Filgueiras, Patrícia Martins
    Em 2008, o mundo viveu uma de suas maiores crises financeiras após a crise de 1929. No Brasil, a crise foi agravada pelos prejuízos sofridos por grandes empresas em decorrência de contratação de derivativos exóticos. O escopo deste estudo é entender um pouco os instrumentos derivativos, sob o ponto de vista jurídico, analisando-se, ainda, as contribuições das melhores práticas de governança corporativa para evitar que outras crises como a vivenciada em 2008 no Brasil ocorram.