Resultados de Busca

Agora exibindo 1 - 2 de 2
  • Dissertação
    Estudo do efeito Balassa-Samuelson para o Brasil
    (2012) Battaglia, Daniel Vasconcellos
    O presente estudo tem como objetivo testar a validade do efeito Balassa Samuelson para o caso brasileiro. Analisamos separadamente duas proposições básicas: (1) o impacto do diferencial de produtividade entre Brasil e EUA sobre o relativo de preços de ambos os países; (2) o impacto do relativo de preços entre Brasil e EUA nos desvios da taxa real de câmbio em relação ao seu valor de equilíbrio. Para comparar a relação de longo prazo das variáveis, utilizamos diferentes técnicas econométricas: o teste de cointegração de Johansen e o teste de fronteira desenvolvido por Pesaran, Shin e Smith (1999). Os resultados dos testes concordam entre si, não encontrando relação entre a variação dos preços relativos e da produtividade do Brasil e dos EUA. No que tange a segunda proposição, ao acrescentarmos os índices de risco país e de preços internacionais das commodities, os modelos também concordam entre si quanto à existência da relação de longo prazo entre câmbio real e preços relativos dos países previamente citados. Porém, em ambos os modelos não existe significância estatística da variável explicativa do relativo de preço dos países, novamente invalidando a existência do efeito Balassa-Samuelson para o caso brasileiro.
  • Dissertação
    Modelando a demanda brasileira privada por empréstimos por meio da relação de Longo prazo entre empréstimos, PIB e Taxas de Juros
    (2009) Guido, Luís Fernando Coelho
    Este trabalho procurou estudar as variáveis determinantes para a demanda de empréstimos locais pelo setor privado brasileiro. Utilizando a metodologia de Johansen, o estudo identifica a relação entre empréstimos locais, PIB e taxas de juros de curto e longo prazos. O período analisado foi de janeiro de 1995 a março de 2006. Os resultados apontam que as taxas de juros têm um papel relevante na evolução dos empréstimos, ou seja, funcionam como os preços dos empréstimos. Verifica-se, também, que a taxa de juros de longo prazo apresenta um papel mais importante que a taxa de juros de curto prazo na determinação dos empréstimos para o período analisado. Quanto ao produto percebe-se que este não desempenha um papel de destaque na determinação dos empréstimos, dependendo do modelo, encontram-se também resultados que podem levar a duas conclusões dispares: na primeira, conclui-se uma relação positiva entre produto e empréstimos, ou seja, uma economia em expansão demanda um volume maior de empréstimo; na segunda, conclui-se que, em uma economia em crescimento demandaria menos empréstimo, provavelmente por se financiar com os recursos próprios e não de terceiros.