Resultados de Busca

Agora exibindo 1 - 3 de 3
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    Influência do carry trade sobre o crash risk
    (2010) Fujii, André Takeshi
    O carry trade é uma conhecida estratégia de investimento que consiste em aplicar recursos em moeda com alta taxa de juros tomando recursos em moedas com baixas taxas de juros conseguindo lucro nessa estratégia apostando na violação da paridade descoberta da taxa de juros. O propósito desta monografia é documentar relações entre variáveis como assimetria, risk reversal, posição futura dos especuladores e outros por meio de regressões para indicar a correlação do carry trade com o currency crashes.
  • Dissertação
    Prêmio de risco e o viés da taxa a termo como previsor da taxa de câmbio futura
    (2014) Nagamachi, Sérgio Massahiro
    Este trabalho tem por objetivo verificar uma das questões mais intrigantes na literatura de finanças internacionais, mais conhecida como forward premium puzzle. Tal anomalia é relacionada a uma falha na paridade descoberta de juros onde o prêmio a termo é negativamente correlacionado com variações futuras no mercado à vista. Com base na metodologia proposta por Fama (1984), investiga-se se existe tal anomalia para o mercado brasileiro e se a existência de um prêmio de risco variante no tempo é capaz de explicá-la. Utilizou-se o Filtro de Kalman para extrair a série de prêmio de risco, conforme Garcia e Olivares (2001). Os principais resultados encontrados foram que o viés existe apenas para o período de regime cambial denominado “crawling peg”, de abril de 1995 a dezembro de 1998, e este viés pode ser explicado pela existência de um prêmio de risco variante no tempo. Além disso, encontrou-se uma correlação positiva entre o índice de preços e o prêmio de risco, o que se sugere é que os agentes se preocupam com o poder de compra, logo, demandam um retorno acrescido de um prêmio de risco maior em períodos de inflação mais alta. O regime de livre flutuação leva à redução da importância do prêmio de risco para o Brasil no período mais recente.
  • Dissertação
    A relação dinâmica entre o Índice de preços de ações e a taxa de câmbio: um estudo econométrico para o Brasil
    (2009) Agi, Roberto Costa
    Desde a criação do Plano Real, em 1994, o Brasil tem se destacado pela preocupação em melhorar seus fundamentos econômicos, focando o controle da inflação e a estabilidade da moeda. Nesse contexto, o interesse de investidores estrangeiros no país é crescente, tanto em investimentos diretos em infra-estrutura como em ativos financeiros. Esse trabalho busca contribuir com um estudo sobre dois ativos que tem influência direta nas decisões de investimento de participantes locais e estrangeiros, são eles o índice de ações Ibovespa e taxa de câmbio real. O relacionamento entre esses dois ativos pode ser descrito de diferentes formas, por exemplo, uma desvalorização da taxa de câmbio real brasileira afeta positivamente a competitividade internacional, levando a superávits na balança comercial e afetando positivamente o lucro esperado das empresas, o que finalmente valorizaria o índice Ibovespa. Em outra análise, uma valorização do índice Ibovespa, através do efeito riqueza, aumentaria a demanda por moeda. Essa demanda maior por moeda pressionaria a taxa de juros local, aumentando a atratividade de recursos estrangeiros que poderia finalmente valorizar a taxa de câmbio real. Através de técnicas econométricas como cointegração e modelos de vetores autoregressivos, buscou-se analisar como esses dois ativos se relacionam no longo-prazo e como se dão as dinâmicas de curto-prazo. Além disso, outros ativos, como um índice de preços internacionais de commodities e um índice de ações dos Estados Unidos foram incorporados aos modelos com o objetivo de analisar se são variáveis importantes e se exercem o papel de condutores de eventuais choques. A condição da paridade descoberta de juros (UIP) foi testada na relação de cointegração entre as séries e os resultados confirmam que há indícios de que existe um relacionamento de longo-prazo entre as séries, porém a UIP não é confirmada. Quanto às dinâmicas de curto-prazo não foi encontrada nenhuma relação de causalidade entre as séries do modelo.