Resultados de Busca

Agora exibindo 1 - 10 de 21
  • Trabalho de Evento
    O impacto de Investimentos de Venture Capital e Private Equity no desempenho de startups de Internet das Coisas (IoT)
    (2021) ANDREA MARIA ACCIOLY FONSECA MINARDI; Souza, Fernanda Carvalho de
    O objetivo desse estudo é examinar como o investimento de Venture Capital e Private Equity impacta no desempenho de Startups do setor de Internet das Coisas (IoT). Coletamos dados no Crunchbase de 7.197 empresas fundadas entre os anos 2000 e 2016 ao redor do mundo, e acompanhamos o desempenho dessas companhias até o ano de 2020. A metodologia adotada foi o um modelo hazard proporcional de Cox (1972) para avaliar a probabilidade de a startup realizar IPO (Initial Public Offering), venda total para um investidor estratégico ou declarar falência. Os resultados do modelo indicam que a presença de fundos de Venture Capital e Private Equity tem um impacto positivo para as startups, uma vez que aumenta a probabilidade de ocorrência de IPOs e venda para estratégicos. No entanto, ser apoiado por um fundo também aumenta a probabilidade de a companhia falir num menor período de tempo, pois os fundos focam seus recursos em empresas rentáveis, de modo que se a empresa não apresenta bons resultados, é comum acelerar o write-off do investimento.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    O impacto dos fundos de Private Equity na performance das empresas pós IPO: Uma análise financeira e operacional do setor de Saúde brasileiro
    (2022) Vergueiro, Nicholas Fuga
    O presente estudo busca analisar o desempenho financeiro e operacional das empresas do setor de saúde brasileiro que receberam aportes de fundos de Private Equity. Com o intuito de viabilizar tal análise, utilizamos os principais indicadores propostos pela literatura do tema para as empresas da bolsa de valores pós-IPO, comparando as empresas que tinham fundos de Private Equity presentes no capital social no momento da oferta de ações com as que não o tinham. De acordo com os principais estudos da academia global e das diretrizes que guiam os investidores de Private Equity, esperar-se-ia que o desempenho das companhias com tal tipo de aporte deveria ser diferente quando compradas as companhias que não tiveram tal tipo de aporte. Utilizando uma base das 19 empresas de saúde que abriram capital na B3 entre 2000 e 2022, investigou-se os indicadores de (i) Crescimento de Receita (ii) Variação na Margem EBITDA, (iii) ROA e (iv) Alavancagem das companhias nos três anos após IPO. Os resultados sugerem que no primeiro ano após IPO as empresas que receberam investimentos de Private Equity possuem um crescimento de receita superior, ao passo que possuem indicadores de ROA inferiores as empresas que não receberam tal tipo de investimento, especialmente para o 3º ano após IPO. Para os indicadores de Variação de Margem EBITDA e Alavancagem não foi possível obter resultados significativos, mas intuitivamente esperar-se-ia uma variação positiva na Margem EBITDA frente as companhias que não possuíram fundos de Private Equity e uma Alavancagem inferior dada a facilidade de captação de Equity em detrimento de Dívida.
  • Dissertação
    O comportamento do preço de IPOs ao redor do vencimento do lock-up
    (2013) Castro, Cristiano S. C. Monteiro De
    As ofertas públicas iniciais no Brasil possuem um instrumento de regulação chamado lock-up o qual serve para garantir a permanência dos acionistas majoritários por um período enquanto a ação estiver lançada na bolsa como forma de evitar um conflito entre acionistas majoritários e minoritários. Esse lock-up é de 180 dias para 40% do volume ofertado e 360 dias para os 60% restantes. Foram analisados o comportamento de 116 ofertas públicas iniciais entre 2004 e 2012 com o objetivo de verificar o comportamento dos retornos e volume por meio da metodologia de estudos de eventos. Verifica-se que existe tanto variação dos retornos quanto do volume após o vencimento dos lock-ups, mas observa-se que a queda de preço é menor quando há a presença de fundos de Private Equity ou Venture Capital na estrutura societária dos IPOs,
  • Dissertação
    O impacto dos fundos de private equity no underpricing dos IPOs brasileiros
    (2013) Bottai, Diego
    O objetivo desta dissertação é investigar se a presença de fundos de private equity diminui o underpricing dos IPOs no mercado brasileiro. Foram analisados todos os IPOs realizados no Brasil entre Janeiro de 2004 e Julho de 2013 e a amostra foi controlada por variáveis como tipo de listagem, classificação setorial, ano de negociação, volume, percentual de investidores pessoas físicas, de varejo, institucionais e estrangeiros, coordenadores, percentual de revisão de preço e de quantidade e percentual de oferta primária. A conclusão desta dissertação é que a presença de fundos de private equity não explica o underpricing com significância estatística, porém, se o IPO está precificado acima da banda do prospecto preliminar, a presença de fundos de private equity tem uma relação positiva e significativa com o underpricing. Encontram-se evidências portanto, que o ajuste parcial de preços é mais forte em IPOs que tem a presença fundos de private equity.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    Rede d’Or: Qual o Impacto da Gestão para o Sucesso de sua Operação e Oferta Pública Inicial?
    (2021) João Paulo Arias Lopes
    O estudo presente busca entender o posicionamento da Rede d’Or São Luiz – líder no setor de saúde brasileiro – de modo a evidenciar quais problemas a empresa busca resolver. Consequentemente, será traçada uma análise sobre a indústria, buscando evidenciar o seu funcionamento. Em seguida serão analisados os principais fatores que supostamente fizeram da operação da Rede d’Or uma referência no setor de healthcare nacional. Inicialmente, acredita-se que a participação do fundo de Private Equity de Cingapura – GIC – tenha exercido um papel crucial no posicionamento da empresa. Adicionalmente, o fundo de PE norte-americano, Carlyle, também se tornou um acionista controlador da Companhia em 2015. Na época, o fundo despendeu um cheque de cerca de R$ 2,5 bilhões, auxiliando diretamente na gestão e maturação da Rede d’Or, fazendo da firma o principal ecossistema de saúde nacional. Atualmente, o Carlyle possui cerca de 11% das ações em circulações da Companhia, equivalentes a aproximadamente R$ 15 bilhões de reais em valor de mercado. Buscando comprovar este ponto, o estudo traçará uma análise histórica das principais métricas operacionais e financeiras da companhia frente aos seus peers. Assim, o estudo pretende evidenciar uma suposta melhoria dos resultados da Rede d’Or nos últimos anos e projeções futuras, que deve superar evolução de seus competidores em termos de crescimento, margens e perspectivas futuras de performance. Em seguida, a performance histórica de sua ação desde a Oferta Pública Inicial (IPO) será comparada às demais companhias e ao Ibovespa. Deste modo, este estudo de caso busca comprovar se os investimentos do GIC e Carlyle na companhia tiveram de fato um impacto positivo nas operações e sua eventual performance no mercado de capitais.
  • Dissertação
    O impacto do aquecimento da economia e do mercado de ações no desempenho dos investimentos de Private Equity e Venture Capital no Brasil
    (2015) Eiras, Marcelo Moreira Santos
    O presente trabalho analisa qual o impacto do aquecimento econômico e do mercado de ações brasileiro no desempenho dos investimentos de Private Equity e Venture Capital do Brasil. É utilizada uma base de dados privada, com informações sobre características de fundos, gestores e investimentos, incluindo medidas de taxa interna de retorno e múltiplo de dinheiro. Conforme o esperado, o resultado indica que entrar no deal em momento em que o mercado está desaquecido e sair quando este está aquecido têm impacto positivo no desempenho. O aquecimento do mercado no início ou no final do investimento foi medido pelo retorno do Ibovespa nos últimos 12 meses que antecedem o evento (entrada ou saída) e pelo número de IPOs e ofertas subsequentes no ano do evento. Na entrada, ambas as variáveis de aquecimento são relevantes, mas no momento de saída apenas o número de IPOs e ofertas subsequentes impactam de maneira significativa o desempenho. Os resultados obtidos também mostram que tanto o crescimento da economia quanto a apreciação do mercado de capitais ao longo da vida do investimento são importantes para explicar o desempenho dos deals. Neste caso, o aquecimento econômico ao longo do período foi medido pela variação do PIB, enquanto o aquecimento no mercado de ações foi medido pelo retorno do Ibovespa.
  • Trabalho de Evento
    Aquecimento do Mercado Acionário no Brasil e Saídas de Invetimentos de Private Equity e Venture Capital
    (2017) ANDREA MARIA ACCIOLY FONSECA MINARDI; ADRIANA BRUSCATO BORTOLUZZO; Rosatelli, Piero Lara; PRISCILA FERNANDES RIBEIRO
    O objetivo desse trabalho é investigar como as condições do mercado acionário influenciam a saída dos investimentos realizados pelos fundos de PE e VC. A metodologia adotada para essa análise foi o modelo hazard semiparamétrico de Cox. O aquecimento do mercado acionário foi medido pelo número de IPOs e pelo índice de Preço Lucro médio do mercado. A condição de mercado aquecido, independente de qual métrica foi utilizada, aumenta substancialmente as taxas de saída em relação a momentos de não aquecimento. Quando medida por preço lucro alto, chega a aumentar as saídas de fundos de PE e VC em até 10 vezes, indicando que os gestores brasileiros fazem market timing na saída. Percebe-se também que saídas de investimentos de PE e de VC tem comportamentos bem distintos. Em VC, a taxa marginal de venda tem uma distribuição côncava, atingindo seu máximo entre 6,5 e 7,5 anos do investimento na carteira do fundo. Isso indica que os fundos de VC podem enfrentar dificuldade de vender investimentos que ficam muito mais tempo que isso na carteira. As taxas de saída de PE crescem monotonicamente, e se aceleram para investimentos que são mantidos na carteira por mais que 7,5 anos, indicando a pressão de saída sofrida pelas gestoras quando a vida do fundo se aproxima do vencimento, e que os fundos de PE não encontram dificuldade de vender os investimentos pelo fato de estarem há muito tempo na carteira.
  • Trabalho de Conclusão de Curso
    Acordo de Acionistas em Private Equity
    (2013) Saweljew, Alessandro Finck
    Este trabalho trata de analisar os acordos de acionistas formulados no âmbito dos investimentos em private equity.
  • Trabalho de Evento
    Private Equity and Venture Capital Growth and Performance in Brazil
    (2018) ANDREA MARIA ACCIOLY FONSECA MINARDI; ADRIANA BRUSCATO BORTOLUZZO
    Private Equity (PE) and Venture Capital (VC) investors have been allocating more capital to emerging markets. Although this increases the learning and knowledge transfer, it also raises concern if the PE/VC firms are shorthanded to absorb this growth. We investigate the impact of growth on the performance of Brazilian PE/VC industry. The results indicate that the number of deals simultaneously managed reduces the probability of total loss. However, when we exclude total losses, we find that a higher number of deals affects the performance of PE deals negatively, but that this is not the case for VC.
  • Trabalho de Evento
    Private Equity Funds and Acquisition Multiples in the BRIC
    (2018) ANDREA MARIA ACCIOLY FONSECA MINARDI; Olivares, Rodrigo Henriques; Pinho, Paulo José Jubilado Soares de
    The Private Equity (PE) activity has been growing globally. It represents a significant stake of merge and acquisition (M&A) transactions. We expect that Private Equity managers pay lower prices than non-PE bidders. Their cost of capital reflect illiquidity premium, usually there are no synergy gains in PE deals, they are recurrent players in M&A, and some entrepreneurs accept lower offer prices from PE in exchange of fund’s know-how and certification effect. The objective of this article is to investigate if the PE acquisition multiples are lower than non -PE multiples in the BRIC countries (Brazil, Russia, India and China). Those emerging market countries raised a lot of PE capital recently, and funds should be efficient to deliver a premium for emerging markets. We run multiple linear regression and propensity score matching. Our results showed that on average PE funds had lower multiples than non-PE funds, but this is not the case in all the BRIC countries. When we run the regressions for countries individually, only Russia and China had a significant discount in the acquisition multiple, indicating that PE deal flow and discipline for investing differ in the BRIC.