Novo método de sinterização de materiais cerâmicos avançados utilizando baixas temperaturas

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Miagava, Joice
Co-orientadores
Tipo de documento
Relatório de Iniciação Científica
Data
2020
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
As cerâmicas avançadas apresentam propriedades de grande interesse na atualidade, como: semicondutividade e dureza mais elevada que os demais materiais aplicados na engenharia. Essas propriedades são obtidas apenas se as matérias-primas apresentarem elevada pureza e o processo de fabricação das peças for muito bem controlado. Devido ao elevado ponto de fusão, as temperaturas aplicadas nos processos de fabricação das cerâmicas avançadas costumam ser maiores que 1000 °C. Dessa maneira, a fim de diminuir as temperaturas elevadas envolvidas no processo tradicional, neste estudo, o foco foi estudar o novo método de sinterização a baixa temperatura. Como material de estudo foi escolhido o ZnO, um importante material semicondutor, usado em aplicações como varistores, sensores de gás e componentes piezoelétricos. Para realizar o estudo, foi projetado e montado um sistema de prensagem a quente, composto por uma prensa hidráulica, uma matriz de prensagem, uma coleira de resistência elétrica e um sistema eletrônico para controlar a temperatura no interior da matriz. Peças foram obtidas através da sinterização a baixa temperatura utilizando o pó nanométrico de ZnO com adição de 10% de água deionizada. As peças obtidas, foram sinterizadas a 150 e 250 °C, com 3 toneladas de pressão por tempos de 15 a 120 min. Foi realizada a difração de raios-X para aferição de fases cristalinas e microscopia eletrônica de varredura para análise de morfologia e tamanho de grão, além da porosidade. A maior densidade relativa obtida foi de 65%. Apesar de não ser considerada uma densidade elevada, foi possível compreender melhor os fenômenos que ocorrem durante esse novo processo proposto. A morfologia dos grãos é bastante distinta entre as amostras sinterizadas a 150 e 250 °C, confirmando a solubilização do ZnO e indicando que a fase transiente não é eliminada na temperatura mais baixa.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Área do Conhecimento CNPQ
Citação