A evolução do Sistema de Pagamentos Brasileiro e o desaparecimento do cheque: realidade ou exagero?

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Co-orientadores
Tipo de documento
Dissertação
Data
2006
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
A intensa evolução do sistema de pagamentos brasileiro ao longo dos últimos anos pode ser atribuída tanto aos avanços tecnológicos, que vêm propiciando o aparecimento de instrumentos transacionais eletrônicos com tempo e risco de liquidação reduzidos, como às medidas legais estabelecidas pelo Banco Central na tentativa de reduzir o risco sistêmico de mercado e, dessa forma, melhorar a imagem do país no cenário internacional, favorecendo investimentos externos. Dentro desse contexto, tornou-se evidente o crescimento expressivo dos pagamentos com meios eletrônicos no mercado brasileiro, tanto no segmento de varejo como em setores predominantemente corporativos. Cartões de crédito e de débito e transferências interbancárias com efetivação intradiária estão se tornando cada vez mais íntimos dos consumidores e, principalmente, dos comerciantes brasileiros, que rapidamente se rendem à sua praticidade, agilidade e segurança. O "bom" e "velho" cheque, companheiro inseparável do brasileiro no século XX, parece estar perdendo seu espaço de maneira rápida e irreversível. Muitos até já consideram que seus dias estão definitivamente "contados". O objetivo do presente trabalho foi buscar uma resposta satisfatória para essa pergunta; tal busca foi perseguida tanto por meio da captura das tendências sinalizadas pelos dados históricos (do cheque e de seus principais "concorrentes") como pela identificação e análise dos fatores conjunturais e culturais representativos em relação ao uso do cheque. Os resultados finais comprovam que a evolução do sistema de pagamentos brasileiro tem tornado o cheque um instrumento de pagamento mais arriscado (mais predominantemente sob a ótica financeira do que sob a ótica transacional), pois os bons pagadores estão migrando fortemente para os cartões nas compras de baixo valor e para a TED nas de valor elevado. Ainda assim, não há indícios de que o cheque possa desaparecer no curto prazo (isto é, ao longo da próxima década).

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Pereira, Pedro Luiz Valls
Toloi, Clélia Maria De Castro
Área do Conhecimento CNPQ
Citação