Political preferences and individual choice: a Latin American’s countries perspective

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Co-orientadores
Tipo de documento
Artigo Científico
Data
2017
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
A análise das posições individuais com relação ao posicionamento político entre direita e esquerda é um trabalho desafiador, pois características pessoais podem influenciar decisões políticas sem, no entanto, serem sua causa original. Esse problema pode ser ainda mais pronunciado na América Latina, onde as jovens democracias têm o desafio de estabilizar as escolhas políticas ao longo do tempo. Esse estudo contribui para a literatura analisando as influências das características pessoais nas escolhas políticas, com foco no início dos anos 2000, quando ocorreu a “virada da esquerda”. O presente estudo utiliza dados do World Values Survey em sua quinta onda (2005 – 2008) com esse objetivo. Essa base de dados é construída através de uma coleta global de dados e as questões são relacionadas a diferentes assuntos que implicam em impressões sobre a qualidade de vida dos indivíduos. A partir dos dados disponíveis, incluímos os países latino-americanos que participaram dessa onda: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Uruguai. Nesse estudo, o objetivo foi estimar diretamente o impacto das características individuais dos respondentes desses países em suas autodeclarações a respeito de seu posicionamento político. Com esse objetivo, estimamos um modelo de logit ordenado para a melhor compreensão da forma como cada variável afetava a escolha de posicionamento individual. Nossos resultados apontam que a inclinação para posicionamento político depende de fatores demográficos, econômicos e opiniões individuais, corroborando com estudos anteriores. Conforme o indivíduo envelhece, apresenta maior frequência em cultos religiosos e se sente satisfeito com sua vida financeira, ele apresenta uma maior tendência de se auto declarar como “direita”. Ter completado o ensino superior e residir em uma cidade grande aumenta a probabilidade dos indivíduos se identificarem como “esquerda” no espectro político. Esse estudo contribui para a literatura ao analisar as influências das características pessoais nas escolhas de posicionamento político. Embora essa pesquisa represente um passo importante no sentido de decifrar as inclinações políticas em países da América Latina, uma significativa parcela de assuntos interessantes ainda estão em aberto. As definições de “esquerda” e “direita” continuam obscuras quando as relacionamos com temas como democracia, autocracia e reformas políticas. Entender os caminhos que cada indivíduo utiliza para fazer suas escolhas aumentaria a responsabilidade dos partidos políticos e das autoridades no sentido que as demandas não reveladas da população seriam melhor atendidas. Ao mesmo tempo, estudos como o nosso permitem que seja potencializada a conscientização dos partidos políticos com relação aos candidatos que os representam no sentido de atender às percepções dos eleitores. Por fim, mesmo com muitos aspectos conflitantes nas posições políticas extremas, os termos esquerda e direita continuam caracterizando hipóteses básicas sobre o que representam. Então, mesmo sendo definições ambíguas, essa escolha binária é ainda muito significativa para eleitores da América Latina.

Titulo de periódico
Revista de Sociologia e Política
Título de Livro
Idioma
Inglês
Notas
Membros da banca
Área do Conhecimento CNPQ
Citação