Como o debate econômico entre diferentes escolas encontra-se presente na crise de 2008?

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Leite Neto, Fernando Ribeiro
Co-orientadores
Tipo de documento
Trabalho de Conclusão de Curso
Data
2022
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
Esse estudo visa definir quais motivos foram responsáveis pela Crise de 2008 e como os mesmos se relacionam com a evolução de pensamento econômico no tempo. A Crise de 2008 representa um marco para o capitalismo moderno, uma vez que desencadeou uma forte mudança na diretriz e participação do Estado e agências regulatórias após o colapso. A abordagem realizada mostra como o debate evoluiu no tempo, primeiro durante o “bailout” em que houve um forte debate sobre haver ou não intervenção, e em uma eventual intervenção, como a mesma poderia ser aplicada. Tal discussão se iniciou no terceiro trimestre de 2007, fomentada pela então descoberta e anúncio do BNP Paribas em Agosto de 2007, que a precificação de ativos hipotecários securitizados nos EUA estava incoerente e que três fundos próprios seriam liquidados. A discussão sobre a crise e o papel das agências regulatórias e o estado persistiu até o início do bailout em Outubro de 2008. Apesar dos primeiros avisos representados pela situação do BNP Paribas e o aumento da inadimplência nos títulos americanos, legisladores nos Estados Unidos e Inglaterra demoraram a agir e não conseguiram prevenir o eventual colapso que ocorreu durante todo período de 2008. Mediante o regresso econômico, e o colapso de confiança com agentes econômicos, em 2010 iniciou se um debate posterior que se estabeleceu sobre regulação e como se evitaria uma crise posterior, com novas medidas e participação do Estado no processo, onde há uma clara mudança de pensamento em motivada pelos acontecimentos anteriores, levando a um processo de alteração na matriz de pensamento econômico. No processo passado de desregulação, as ideias austríacos e liberais dominavam a escola de pensamento econômico de forma quase hegemônica, porém após a crise, as diretrizes mudaram para um processo mais keynesiano e mais intervencionista e favorável a participação do Estado. Elementos de teorias institucionalistas e comportamentais também foram relevantes na mudança de pensamento econômico nesse intervalo posterior a crise de 2008.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Área do Conhecimento CNPQ
Ciências Exatas e da Terra
Citação