A teoria das áreas monetárias ótimas e a integração monetária europeia

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Muramatsu, Roberta
Co-orientadores
Tipo de documento
Trabalho de Conclusão de Curso
Data
2012
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
O objetivo deste trabalho é traçar um paralelo entre as recomendações, em especial em termos de política fiscal, ditadas pela teoria das Áreas Monetárias Ótimas (AMOs) e os documentos europeus sobre integração monetária, bem como, as previsões do Tratado de Maastricht quanto à matéria. A teoria das AMOs advoga que uma região deve formar uma união monetária se atender a alguns critérios como: flexibilidade de preços e salários, mobilidade da mão de obra, alta correlação a choques, abertura econômica, diversificação produtiva e um sistema de transferências fiscais, entre outros. Busca-se depreender em que medida a teoria das AMOs e, em especial, o critério das transferências fiscais informaram a discussão e implementação da União Monetária Europeia. Na evolução das discussões sobre as bases da integração monetária europeia, a referência à teoria das AMOs variou consideravelmente, ao longo do tempo, acompanhando, de certa forma, os períodos de ceticismo e otimismo quando ao próprio processo de integração. A crise financeira de 2008 trouxe novamente questionamentos em relação às bases da integração monetária.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Área do Conhecimento CNPQ
Citação