A Crise Econômica no Brasil em 2015 e o Efeito no Emprego das Mulheres

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Madalozzo, Regina Carla
Co-orientadores
Tipo de documento
Dissertação
Data
2020
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
Esta dissertação busca analisar como a crise de 2015 a 2017 no Brasil afetou o mercado de trabalho das mulheres analisando características socioeconômicas e do mercado de trabalho. Como base de dados, utilizamos os microdados da PNAD Contínua trimestral para os anos de 2012 a 2017, focando assim no período pré crise (de 2012 a 2014) e crise (2015 a 2017). Como método de estimação utilizamos o método de Kaplan e Meier (1958), em que realizamos uma análise individual de cada uma das características e, na sequência, o modelo desenvolvido por Cox (1972), em que fazemos uma análise onde é levado em consideração o efeito conjunto das variáveis. Como resultado, observamos que tanto em Kaplan e Meier quanto em Cox, mulheres pretas, chefes de família, mais jovens, que trabalham menos horas por semanas e que estão em setores cíclicos da economia como construção civil e alojamento foram as mais afetadas pela crise. Entretanto, o método de Kaplan e Meier diverge do modelo de Cox quanto a escolaridade. Enquanto o método de Kaplan e Meier aponta que a maior probabilidade de perder o emprego está relacionada às mulheres com ensino médio, o modelo de Cox aponta que o risco é maior para as com ensino superior. Este resultado é distinto do observado na literatura para outras crises, mas, pode apontar que essa crise, causada por questões estruturais da economia local, pode ter afetado de forma distinta as mulheres mais escolarizadas.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Wajnman, Simone
Área do Conhecimento CNPQ
Citação