Contradições da nova matriz econômica do governo Dilma: porque a redução de juros não estimulou a taxa de investimento?

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Alexandre, Schwartzman
Co-orientadores
Tipo de documento
Trabalho de Conclusão de Curso
Data
2015
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
A nova matriz econômica consiste de uma política macroeconômica brasileira instituída no inicio do mandato da atual presidente da república Dilma Rousseff. A política, de cunho desenvolvimentista, consiste no abandono do tripé econômico, e tem como objetivo o estímulo da economia. Os resultados procurados são o aumento das taxas de crescimento do produto, aumento da taxa de investimento entre outros fatores. Um dos principais mecanismos utilizados pela nova matriz econômica para o atingimento de suas metas foi a redução da taxa básica de juros. Apesar dos esforços empreendidos, até o presente momento, não houve evidências que corroboram com o sucesso do plano de aumentar a taxa de investimento como porcentagem do PIB. As baixas taxas de crescimento do produto estão sendo acompanhadas de inflação e deterioração das contas públicas. Assim o presente trabalho tem a intenção de descobrir quais fatores resultaram na falta de crescimento na taxa de investimento na economia brasileira. Para isso, primeiramente, será feito um estudo acerca da literatura já disponível, a fim de obter as variáveis que determinam a taxa de investimento para o caso brasileiro. Com tal embasamento teórico, será possível analisar, estatisticamente, a magnitude do efeito de cada variável sobre a taxa de investimento, e assim determinar quais fatores se sobressaíram à queda dos juros básicos e resultaram no fracasso dos planos da nova matriz econômica do governo primeiro de Dilma Rousseff.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Parente, Artur Rothstein Barreto
Martins, Sergio Ricardo
Área do Conhecimento CNPQ
Citação