O federalismo fiscal brasileiro e o equilíbrio eleitoral estadual

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Bugarin, Mauricio Soares
Co-orientadores
Tipo de documento
Trabalho de Conclusão de Curso
Data
2009
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
Esta monografia apresenta, através de um estudo econométrico, uma evidência empírica de que candidatos a governador de coligações mais fortes no estado recebem, em média, mais votos nas eleições estaduais. Em seguida, foi proposta uma extensão do modelo de voto probabilístico de Persson Tabellini (2001) a fim de explicar a relação positiva entre força do partido e votos recebidos nas eleições. Uma das conclusões do modelo proposto é que quanto maior a renda da cidade, menor será o beneficio que as transferências proporcionarão para esta cidade. A principal conclusão do modelo é que a força do partido por si só não lhe garante uma vantagem em relação ao seu oponente. O que realmente importa é a força do partido ponderada pela homogeneidade ideológica das cidades que compõe esta força.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Moita, Rodrigo Menon Simões
Área do Conhecimento CNPQ
Citação