Choques macroeconômicos e a inflação das diferentes classes sociais no Brasil

Carregando...
Imagem de Miniatura
Co-orientadores
Tipo de documento
Dissertação
Data
2021
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
Durante os últimos 15 anos, no Brasil, pôde-se observar pelos dados, que existe uma diferença entre a inflação da classe mais pobre em relação à inflação da classe mais rica. Esta dissertação consiste em estudar o motivo da origem desta desigualdade, pela ótica da rigidez de preço enfrentada por estas classes. Observou-se que as classes mais pobres consomem mais do grupo alimentos e menos do grupo de transportes do que as classes mais ricas – importante ressaltar que o grupo de alimentos apresenta uma maior frequência de ajuste de preço do que o grupo de transportes. Dos dados, percebe-se também que nos 15 anos no Brasil, esta diferença de inflação apresenta uma correlação negativa com o ciclo econômico do produto. Utilizando um modelo Novo Keynesiano e com quatro tipos de choques exógenos diferentes (monetário, de preferência, de oferta de trabalho e de markup), concluiu-se que os únicos choques que explicam o comovimento entre a diferença de inflação enfrentada pelas classes sociais e o produto são os choques de markup - nos itens que as classes mais pobres consomem mais do que as classes mais ricas - e o choque de oferta de trabalho.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Ribeiro, Marcel Bertini
Área do Conhecimento CNPQ
Ciências Exatas e da Terra
Citação