Coeficiente de determinação como previsor de desempenho de fundos multimercados

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Araujo, Michael Viriato
Co-orientadores
Tipo de documento
Dissertação
Data
2014
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
Este trabalho tem como objetivo desenvolver um modelo para avaliar se o coeficiente de determinação (R2) pode ser um bom previsor de desempenho para fundos multimercados brasileiros baseando-se nos trabalhos já realizados por Amihud e Goyenko (2013) e Merhy (2013). Ao invés de utilizar os modelos de Fama e French (1993) e Carhart (1997), como realizado pelos estudos supracitados, foi utilizado um modelo de Análise de Componentes Principais (ACP). Com isto, não houve a necessidade de se escolher quais fatores de mercado deveriam fazer parte do modelo e, consequentemente, a heterogeneidade dos portfólios e a diversidade dos tipos de ativos que os compõem não foram entraves ao desenvolvimento da análise. Utilizando uma amostra de fundos multimercados no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2013, foram calculados os R2s a partir das séries dos excessos de retornos dos fundos em relação ao CDI estimados pelo modelo dos componentes principais e dos excessos de retornos dos fundos em relação ao CDI reais. O R2 e os excessos de retornos dos fundos em relação ao CDI defasados foram utilizados como critérios de seleção para a criação de carteiras de fundos multimercados. Diferentemente do que foi encontrado nos estudos de Amihud e Goyenko (2013) e Merhy (2013), as carteiras formadas com os fundos com menor valor de R2 defasados não apresentaram desempenho superiores.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Lyrio, Marco Túlio Pereira
Rochman, Ricardo Ratner
Área do Conhecimento CNPQ
Citação