Fatores macroeconômicos e a taxa de falência agregada das FinTechs

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Bortoluzzo, Adriana Bruscato
Co-orientadores
Tipo de documento
Data
2023
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
FinTechs são startups que buscam soluções tecnológicas que favoreçam a eficiência e a redução de custos para os produtos da indústria financeira. As inovações propiciadas pelas FinTechs estão se consolidando como principal agente transformador dos serviços financeiros, pois a tecnologia proporcionada por tais negócios promove a ampliação do acesso aos diversos produtos deste segmento, estimula o emprego, a renda e o crescimento econômico. Por esta razão, as FinTechs têm atraído a atenção de investidores e acadêmicos nos últimos anos. Mas, ainda que tais startups estejam interessadas no sucesso de seus negócios, muitas falham e tornam-se insolventes. Perante esta realidade de elevado nível de falência, compreender os fatores que contribuem para a mortalidade destas organizações, pode ser uma questão importante para fundadores, instituições financiadoras ou formuladores de políticas públicas, visto que antecipar uma situação de risco é fundamental para desencadear ações preventivas ou alternativas que reduzam, em última instância, o custo de uma inevitável insolvência. Diante do contexto apresentado, este estudo analisou por meio de um modelo de regressão com dados em painel dinâmico, a relação entre os fatores macroeconômicos e a taxa agregada de falência das FinTechs dos dez maiores países em número total de startups segundo o site Startup Ranking (2022): Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália, Índia, Alemanha, França, Brasil, Espanha e Indonésia, para o período compreendido entre 2010 e 2020. A amostra é composta por 9.970 FinTechs que declararam falência e 137.993 FinTechs ativas, totalizando 147.963 FinTechs. Os resultados demonstraram que as atividades do mercado de ações, a taxa de desemprego, a taxa de abertura de novas FinTechs, o índice de percepção da corrupção e a qualidade das regulamentações são determinantes da falência agregada das FinTechs e sugerem que fatores macroeconômicos podem influenciar o nível de insolvência dos países desenvolvidos de forma diferente dos países emergentes.

FinTechs are startups that seek technological solutions that favors efficiency and cost reduction for financial industry products. The innovations provided by FinTechs are consolidating themselves as the main transforming agent of financial services, especially because the technology provided by such businesses, promotes the expansion of access to various products in this segment, stimulates employment, income and economic growth. For this reason, FinTechs has attracted the attention of investors and academics in recent years. But even though such startups are interested in the success of their business, many fail and become insolvent. Faced with this reality of a high level of bankruptcy, understanding the factors that contribute to the mortality of these organizations can be an important issue for founders, funding institutions or policymakers, since anticipating a risk situation is essential to trigger preventive or alternative actions that ultimately reduce the cost of an inevitable insolvency. Given the context presented, this study analyzes through a regression model with dynamic panel data, the relationship between the macroeconomic factors and the aggregate rate of bankruptcy of the FinTechs of the ten largest countries in total number of startups according to the Startup Ranking website (2022): United States, United Kingdom, Canada, Australia, India, Germany, France, Brazil, Spain and Indonesia, for the period between 2010 and 2020. The sample consists of 9.970 FinTechs that declared bankruptcy and 137.993 active FinTechs, totaling 147.963 FinTechs. The results showed that stock market activities, the unemployment rate, the opening rate of new FinTechs, the corruption perception index and the quality of regulations are determinants of the aggregate failure of FiTechs and suggest that macroeconomic factors can influence the level of insolvency of developed countries differently from emerging countries.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
pt
Notas
Membros da banca
Bortoluzzo, Adriana Bruscato
Monteiro, Guilherme Fowler de Avila
Alencar, Airlane Pereira
Área do Conhecimento CNPQ
CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
Citação