Dinâmica inflacionária no México: estimativas da curva de Phillips Nova-Keynesiana híbrida a partir da adoção do regime de metas

Carregando...
Imagem de Miniatura
Orientador
Martins, Sérgio Ricardo
Co-orientadores
Tipo de documento
Trabalho de Conclusão de Curso
Data
2017
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
O objetivo deste trabalho foi analisar, a partir da estimação de uma Curva de Phillips Nova- Keynesiana Híbrida, a dinâmica inflacionária mexicana de 2001 a 2015, tendo em vista as significativas mudanças no comportamento inflacionário e na formulação de expectativas dos agentes trazidas com a adoção do Regime de Metas de Inflação. Diferentemente de Galí e Gertler (1999), foi utilizado como proxy para o componente cíclico da atividade econômica o hiato do produto no lugar do custo marginal real das firmas. Foram abordadas duas ferramentas econométricas de estimação distintas: Mínimos Quadrados Ordinários em Dois Estágios (TSLS) e; representação em Espaço de Estados da Curva de Phillips proposta. Ambas estimativas forneceram indícios de que os componentes de inflação backward e forward-looking foram variáveis-chave para explicar a inflação core mexicana no período de estudo e superiores, em termos contributivos, em relação ao componentes de hiato do produto e inflação importada. Observou-se também que: i) o processo de indexação inflacionária da economia mexicana vem aumentando ao longo do tempo, enquanto que a formação de preços baseada nas expectativas de inflação dos agentes, diminuindo; ii) o hiato do produto mostrou-se significante apenas entre 2007 a fins de 2011, período no qual apresentou alto poder explicativo; e iii) a inflação importada apresentou alta contribuição nos períodos de crise econômica sulamericana (2002) e crise financeira (2008), porém mostrou-se insignificante entre 2010 e fins de 2012.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Área do Conhecimento CNPQ
Citação