Determinantes do spread bancário no Brasil: um modelo com coeficientes variando no tempo aplicando filtro de Kalman

Carregando...
Imagem de Miniatura
Co-orientadores
Tipo de documento
Dissertação
Data
2017
Título da Revista
ISSN da Revista
Título do Volume
Projetos de Pesquisa
Unidades Organizacionais
Fascículo
Resumo
Os altos níveis da taxa básica de juros e dos spreads bancários (margens bancárias) no país são objeto de amplo estudo e discussão dado as suas particularidades e importância na economia brasileira. Nessa direção, este trabalho se dedicou a melhor compreender a formação do spread bancário no Brasil, buscando consolidar trabalhos empíricos da literatura nacional que levantam uma série de variáveis macroeconômicas testadas para explicar formação das margens praticadas no mercado bancário brasileiro. Para analisar as variáveis elencadas, foram aplicadas regressões lineares, com estimadores de Mínimos Quadrados Ordinários (MQO) e também equações de espaçoestado utilizando o Filtro de Kalman para estimar coeficientes variando ao longo do tempo. Com os resultados obtidos foi possível observar que a taxa básica de juros da economia é a variável macroeconômica de maior relevância na formação do spread bancário no Brasil. Tanto a volatilidade das taxas de juros, mensurada por contratos futuros de DI, e as variações no nível da taxa Selic apresentaram coeficientes positivos, indicando que ambas as variáveis pressionam o spread bancário para cima. Desse modo, a taxa básica de juros da economia tem um papel duplo na formação do custo de crédito (custo final para o tomador) no país, impactando tanto a taxa de captação quanto o spread dos bancos. A inadimplência, como esperado, também apresentou resultado positivo e significativo, sendo também a única variável além dos juros a pressionar os spreads para cima. O crédito direcionado mostrou resultado estatisticamente significativo na redução do spread bancário no período analisado, de 2007 a 2012, potencializando seu efeito com a Crise de 2008 e depois perdendo força e oscilando em impacto. Variáveis macroeconômicas como variações no produção industrial, inflação e emprego não apresentaram impactos estatisticamente significativos. Por fim, constatou-se que, em período de maior aversão ao risco (ex.: Crise Financeira de 2008), o spread bancário fica sensível às variáveis que impactam a sua formação como um todo.

Titulo de periódico
Título de Livro
Idioma
Português
Notas
Membros da banca
Teran, Juan Carlos Ruilova
Área do Conhecimento CNPQ
Citação