Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.insper.edu.br/handle/11224/5993
Type: Dissertação
Title: O risco de automatização das ocupações e a mobilidade da força de trabalho brasileira: uma análise de 2012 a 2019
Author: Lollo, Fernando Bezerra de
Examination board: Menezes Filho, Naercio Aquino
Feres, Flávia Lúcia Chein
Advisor: Firpo, Sergio Pinheiro
Academic degree: Mestrado
Publication Date: 2022
Original Abstract: Este trabalho tem o objetivo de descrever as principais diferenças entre ocupações de alto e baixo risco de substituição do trabalho humano pela tecnologia e a forma com que a força de trabalho transita entre ocupações de diferentes níveis de vulnerabilidade à automatização. Compatibilizamos as estruturas ocupacionais do Brasil e dos Estados Unidos, atribuindo a probabilidade de automatização dos postos de trabalho calculada para o mercado norte americano no estudo de Frey e Osborne para as 423 ocupações presentes nas pesquisas domiciliares nacionais de 2012 a 2019. Aproximadamente metade das ocupações brasileiras são consideradas vulneráveis à substituição pela automatização e, conjuntamente, empregam 65% da força de trabalho. Transições ocupacionais parecem depender mais da origem dos trabalhadores do que de suas características, sendo menos prováveis os casos de transições que partem de uma ocupação vulnerável com destino a uma não-vulnerável. Mesmo quando ocorrem, essas transições têm como destino postos de trabalho que, apesar de protegidos do risco de automatização, apresentam baixos salários. Em geral, trabalhadores que conseguem transitar para ocupações não-vulneráveis são os principais candidatos para, em caso de uma nova transição, voltar para ocupações de alto risco de substituição pela automatização.
Keywords in original language : automatização
transições ocupacionais
futuro do emprego
Abstract: This paper aims to describe the main differences between occupations with high and low risk of replacing human work with technology and the way in which the workforce moves between occupations with distinct levels of vulnerability to automation. We reconciled the occupational structures of Brazil and the United States, attributing the probability of automating the jobs calculated for the North American job market in the study by Frey and Osborne to 423 occupations present in the national household surveys from 2012 to 2019. Approximately half of the Brazilian occupations are considered vulnerable to substitution by automation and, collectively, employ 65% of the workforce. Occupational transitions seem to depend more on the origin of workers than on their characteristics, with transitions from a vulnerable occupation to a non-vulnerable one being less likely. Even when they do occur, these transitions target jobs that, despite being protected from the risk of automation, have low wages. In general, workers who are able to transition to non-vulnerable occupations are the main candidates to, in case of a new transition, return to occupations with a high risk of replacement by automation.
Keywords (english terms): automation
occupational transitions
future of work
Language: Português
CNPq Area: Ciências Sociais Aplicadas
Copyright: TODOS OS DOCUMENTOS DESTA COLEÇÃO PODEM SER ACESSADOS, MANTENDO-SE OS DIREITOS DOS AUTORES PELA CITAÇÃO DA ORIGEM
Appears in Collections:Mestrado Profissional em Políticas Públicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Fernando Lollo - dissertação.pdfFernando Lollo - dissertação1.03 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.